Arquivo da categoria: seu dinheiro

INCC, SATI, FGTS e a Sopa de letrinha das taxas

Padrão

Gente, comprar imóvel na planta tem muita coisa boa, mas tem uma parte obscura, as taxas. Para os desavisados, elas podem dar uma baita dor de cabeça!

Pra começar, descobrimos a  SATI. Trata-se de uma taxa opcional, referente a um serviço de assessoria jurídica e sei lá mais o que,  que você contrata se quiser. Agora pasmem: os corretores algumas vezes “esquecem” de nos contar isso e nós pagamos achando que é parte do valor do imóvel. Esta taxa significou no nosso caso o,88% do valor total do imóvel (ex: seria R$ 880 em R$ 100.000). Como descobrimos isso depois de fechar o negócio, estamos agora tentando reaver o dinheiro de forma amigável.

Outra taxa importante é o INCC (Índice Nacional da Construção Civíl). Nos imóveis na planta, ele incide mensalmente sobre todas as parcelas devidas à construtura e também sobre o saldo devedor total. Ou seja, sua dívida vai aumentando todo mês até a entrega das chaves…e é um pouco desesperador ver o valor da prestação e do valor a financiar subir todo mês, nos inspira a economizar muuuuito pra antecipar parcelas. Ano passado o acumulado do índice foi de 7,48% a.a. Algumas construturas ainda cobram INCC + 1%. Ainda bem que não foi nosso caso! Aqui um site que ajuda a entender o INCC. Pra se ter uma idéia do impacto, se você financiar um imóvel de R$ 200.000 em 25 parcelas de R$ 1.500 + Financiamento do saldo de R$ 162.000 a ser financiado nas chaves, e o incc no primeiro mês for de 0,8%, a prestação sobe para R$ 1.512 e o saldo a ser financiado sobe para R$ 164.125, e assim vai crescendo todo mês!

Nesta etapa de obras, ainda não podemos utilizar o FGTS, já que o imóvel ainda não existe… então esta graninha fica lá parada, enquanto a dívida vai crescendo 😦 Quando o apê for entregue e tivermos o Habite-se (documento da prefeitura que diz que o imóvel está ok), poderemos utilizá-lo se estivermos dentro dos muitos critérios estabelecidos pela Caixa. Também sugiro um site para entender o FGTS

Quando o imóvel ficar pronto, ainda teremos que pagar o registro do cartório, o ITBI (Imposto sobre Transmissão de Bens Imóveis), e outras taxas, que podem chegar a 5% o valor total do imóvel.

Depois de tudo isso, tem o financiamento com o banco, que só vou aprofundar a pesquisa mais perto da data. Segue uma matéria do G1 que mostra várias coisas bacanas: Financiamento by G1

Anúncios

Planejamento Financeiro: 10 dicas para transformar um sonho em realidade

Padrão

O primeiro passo para realizar um sonho que custa dinheiro é conseguir o dinheiro! Pode ser uma reforma, a decoração de uma cômodo, a compra do seu imóvel, ou outra aquisição. Se você assim como eu não nasceu em família rica e nem ganhou uma bolada , vai ter que se planejar! Por issoescolhi este tema para o segundo post.

Fazer o salário durar o mês todo já é bem difícil. Como então economizar para um sonho? Não existe uma receita mágica, e no fundo nós já temos uma idéia do que fazer, então vou compartilhar aqui algumas dicas que me ajudam:

  1. Defina uma meta. Tenha claro 0 que quer, em quanto tempo quer, e quanto dinheiro precisa. Assim será mais fácil se organizar. Se for uma meta de longo prazo, traçe metas intermediárias, para você ver o resultado mais rápido e não desanimar.
  2. Saiba onde você gasta. Anote todas as suas entradas e saídas (cada 1 real mesmo). Parece óbvio, mas essa é a melhor maneira de encontar seus “ralos” e ver onde está gastanto. Eu uso planilhas, quem me conhece não tem dúvidas sobre isso… rs
  3. Corte supérfluos. Para economizar, priorize! Troque jantares fora por jantares em casa. Convide os amigos! E nunca compre nada por impulso pense duas vezes, saia da loja, de uma volta e na maioria das vezes, vai desistir…
  4. Reduza consumos rotineiros. Troque marcas famosas por marcas novas tão boas quanto, saia dos hipermercados e faça compras em mercados menores e mais simples, compre genéricos, apague as luzes quando sair de um cômodo, use mais a internet e menos o telefone celular, feche a torneira enquanto escova os dentes e assim por diante.
  5. Renegocie taxas e mensalidades. Troque seu cartão de crédito por um sem anuidade, ligue na operadora de celular, tv a cabo, telefone, internet e outros para renegociar seu plano, sempre dá pra conseguir um desconto. Se não conseguir uma boa negociação,  ligue no concorrente e peça um desconto, você permanece com os mesmos serviços por um valor menor na maioria das vezes.
  6. Renegocie dívidas. Se você tem dívida com o cartão de crédito ou cheque especial por exemplo, troque por um Crédito Consignado, que tem juros bem menores. Renegocie tudo o que puder para fugir dos juros abusivos. Converse com o gerente do banco.
  7. Crie cotas. Essa é uma das dicas que mais gosto. Defina cotas para lazer e supérfluos, e quando acabar, não consuma mais no mês! Esta é uma forma de não se privar dos momentos de lazer e garantir o controle das finanças.
  8. Faça compras inteligentes. Pesquise tudo, fuja das compras em véspera de datas comemorativas e o mais importante, pechinche. Compras coletivas são uma boa pedida, desde que substiuam despesas já previstas e estejam dentro da cota. Os programas de fidelidade e cupons de desconto também são uma boa.
  9. Pague contas no cartão de crédito. Água, luz, telefone, gás e até o boleto da prestação do apê podem ser pagos no cartão! Fazendo isso você acumula milhagens que viram cinema, eletrodomésticos, revistas, viagens e etc. Mas cuidado com as taxas que alguns bancos cobram por este serviço. O ideal é escollher uma opção onde não haja taxas! Meu banco por exemplo não cobra taxas para os débitos automáticos no cartão.
  10. Invista! – Tenha o hábito de poupar, começe com pouco. Sua renda – investimento desejado = o que sobra para consumir (receitinha do Dário Sakamoto). Ou seja, defina quanto você quer poupar e o resto será seu consumo. Se você depositar R$ 50 por mês na poupança, em 15 anos terá R$ 17.000.

Tem mais sugestões? Compartilhe aqui! Vamos nos ajudar galera 🙂